A culpabilidade da vítima

A culpabilidade da vítima é responsabilizar a vítima de um crime por esse crime. A partir dos anos 70, o termo era comumente usado nos Estados Unidos. Ele era usado principalmente em conexão com julgamentos por estupro, bem como aqueles com antecedentes racistas.

Em 1947 Theodor W. Adorno definiu o que mais tarde seria chamado de "culpar a vítima", como "uma das características mais sinistras do caráter fascista". Pouco depois, Adorno e três outros professores da Universidade da Califórnia, Berkeley criaram sua influente e altamente debatida escala F (F de fascista), publicada em The Authoritarian Personality (1950), que incluía entre os traços fascistas da escala o "desprezo por tudo que é discriminado ou fraco". Um exemplo comum de culpa da vítima é a expressão "pedindo por isso", por exemplo, "ela estava pedindo por isso" dita de uma vítima de violência ou agressão sexual.

Pontos de vista opostos

Roy Baumeister, um psicólogo social e de personalidade, argumentou que culpar a vítima nem sempre é errado. Segundo ele, isso pode levar a novas idéias que mostram que a vítima foi, pelo menos em parte, responsável pelo ato. Baumeister argumenta que as explicações comuns de violência e crueldade não são úteis porque dizem que a vítima era inocente. Segundo ele, no clássico relato do "mito do mal puro", as vítimas inocentes e bem-intencionadas estão se dedicando a seus negócios quando de repente são agredidas por terríveis vilões. A situação, no entanto, não é tão simples; na maioria dos casos, a vítima fez algo para irritar o infrator, ou para ajudar as ações do infrator. Apesar disso, as ações que se seguem podem ser mais importantes do que a primeira ofensa da "vítima".

Exemplos

Em 2005, o pregador muçulmano australiano Feiz Mohammad fez um discurso na Austrália em que culpou as mulheres por serem vítimas de estupro. Ele disse: "Uma vítima de estupro a cada minuto em algum lugar do mundo". Por quê? Ninguém para culpar, a não ser ela mesma. Ela mostrou sua beleza para o mundo inteiro. Sem alças, sem costas, sem mangas, mostrando suas pernas, nada além de saias satânicas, saias cortadas, blusas translúcidas, minissaias, jeans apertados: tudo isso para provocar o homem e apelar para sua natureza carnal [sexual].

Em um caso que se tornou famoso em 2011, uma vítima de onze anos de idade de repetidas violações de gangues em Cleveland, Texas, foi acusada pelo advogado de defesa de atrair sexualmente homens de propósito para que eles tentassem estuprá-la. "Como a aranha e a mosca". Ela não estava dizendo: "Entre na minha sala, disse a aranha para a mosca"? ", ele perguntou a uma testemunha. ONew York Times publicou um artigo sem críticas sobre o modo como muitos na comunidade culpavam a vítima, pelo qual o jornal mais tarde pediu desculpas.

Em um caso que atraiu cobertura mundial, quando uma mulher foi estuprada e morta na Índia em dezembro de 2012, alguns funcionários do governo indiano e líderes políticos culparam a vítima por seu traje e por ter saído à noite.


AlegsaOnline.com - 2020 / 2022 - License CC3