Hungria

A Hungria é um país da Europa Central. Sua capital é Budapeste. A Hungria é ligeiramente maior do que sua vizinha ocidental Áustria e tem cerca de 10 milhões de habitantes. Outros países que fazem fronteira com a Hungria são a Eslováquia, Ucrânia, Romênia, Sérvia, Croácia e Eslovênia. A língua oficial da Hungria é o húngaro. A Hungria é membro da União Européia (UE) desde 2004. Em húngaro, o país é chamado Magyarország (literalmente, "país húngaro"), ou Magyar Köztársaság (República Húngara). Este é o nome das tribos Magyar que vieram para a Hungria no final do século IX.

História

Hungria Medieval, 896-1526

Os Magyars estabeleceram a Hungria em 896, depois de terem chegado lá de seus territórios anteriores, do leste europeu. O Príncipe Árpád foi seu líder na época; ele também estabeleceu a primeira casa real do país, a casa Árpád. Em 1000, depois que o primeiro rei, Santo Estêvão foi coroado, o país se tornou um Reino.

Em 1241, o Império Mongol invadiu o país, causando a fuga do rei húngaro Béla IV e a morte de aproximadamente 500.000 húngaros, além de pesados danos. Em 1301, a casa de Árpád morreu. Mais tarde, reis de várias casas governaram a Hungria. O maior deles é Matthias Corvinus, famoso por tomar terrirorias austríacas como Viena, etc. e proteger o país contra a agressão otomana. Entretanto, algumas décadas após sua morte (1490), o Sultão Otomano Suleiman, o Magnífico, derrotou o rei húngaro na Batalha de Maomé (1526). O Reino foi dividido em três partes: as áreas oeste e norte permaneceram na Hungria, a região sul caiu sob o domínio otomano e a parte leste tornou-se um vassalo otomano como o Principado da Transilvânia.

Entre 1526-1867

O Reino da Hungria tornou-se uma dependência dos Habsburgos, porque um acordo feito em Viena em 1515 dizia que a família Habsburg se apoderaria do território da família Jagellion na Boêmia e na Hungria se a linha de reis se extinguisse. Em 1686, os otomanos foram forçados a partir, e o país foi reunificado. Muitas nacionalidades viviam no país nessa época. Junto com os húngaros, havia também os ancestrais dos modernos eslovacos, sérvios e romenos.

Em 1703, Francis II Rákóczi, um nobre húngaro, organizou uma revolução contra os Habsburgs, pois os húngaros não estavam satisfeitos com eles. No entanto, sua revolução fracassou em 1711, e ele teve que se exilar. O próximo evento mais importante é a "Revolução Húngara de 1848", quando os habitantes do país se amotinaram novamente. A luta terminou em 1849, com o sucesso dos Habsburgos. Os líderes da revolução foram executados.

Áustria-Hungria, 1867-1918

O país tentou encontrar o caminho para a consolidação: em 1867, os dois territórios mais importantes dos Habsburgos, Áustria e Hungria, assinaram um tratado e estabeleceram a Monarquia Austro-Húngara. A nova situação era viável para ambos os lados: o acordo trouxe um enorme crescimento econômico.

Entre as Guerras Mundiais, 1918-1946

Em 1918, após a derrota na Primeira Guerra Mundial, o Reino foi abolido, e uma república foi estabelecida, pois as pessoas já estavam fartas da guerra. Esta república teve vida curta e logo os comunistas tomaram o poder (1919). Seu governo era irresponsável e muitas pessoas, incluindo os camponeses e a intelligentsia, foram torturadas. Os comunistas tiveram que abandonar o país enquanto as tropas romenas invadiam o país.

No final de 1919, as forças húngaras, lideradas pelo almirante Miklós Horthy, finalmente ocuparam a capital, Budapeste. Em resposta ao terror comunista, eles lançaram o "Terror Branco", no qual perseguiram os comunistas e seus partidários. O reino foi restabelecido, mas não havia rei. Horthy foi eleito como regente do país, pois a assembléia decidiu não chamar os Habsburgs.

A Hungria perdeu a guerra. De acordo com o Tratado de Trianon (1920), a Hungria perdeu dois terços de seu território. Na maioria desses territórios, os não-húngaros eram a maioria; no entanto, muitos húngaros também se encontravam fora de seu país, no estado nacional dos romenos ou eslovacos. Assim, o principal objetivo político dos governos sob Horthy era revisar este tratado e, pelo menos, recuperar as terras habitadas pela Hungria.

Hungria comunista, 1946-1989

Após a queda da Alemanha nazista, as tropas soviéticas ocuparam todo o país. Assim, a Hungria tornou-se gradualmente um estado satélites comunista da União Soviética. Depois de 1948, o líder comunista Mátyás Rákosi estabeleceu o governo estalinista no país. Ele forçou a coletivização e uma economia planejada. Isto levou à Revolução Húngara de 1956. A Hungria se retirou do Pacto de Varsóvia. Mas os soviéticos enviaram mais de 150.000 soldados e 2.500 tanques. Quase um quarto de milhão de pessoas deixaram o país durante o breve período em que as fronteiras foram abertas em 1956. János Kádár tornou-se líder do partido comunista. Em 1991, a presença militar soviética na Hungria terminou, e a transição para uma economia de mercado começou.

República da Hungria, 1989 em diante

[icon]

Esta seção precisa de mais informações. (Dezembro de 2011)

Hoje, a Hungria é uma república democrática. As eleições são realizadas a cada quatro anos.

O atual presidente do país é János Áder, e o primeiro-ministro é Viktor Orbán. Orbán foi primeiro-ministro de 1998 a 2002, e foi eleito novamente em 2010.

A chegada dos Magyars (húngaros) na Bacia dos Cárpatos.
A chegada dos Magyars (húngaros) na Bacia dos Cárpatos.

Demográficos

Os húngaros constituem a maior parte da população, mas há também várias outras comunidades étnicas. A maior delas são os ciganos e os alemães. O húngaro é a língua mais usada na Hungria. As comunidades étnicas também usam freqüentemente seus próprios idiomas. A maioria dos húngaros são religiosos, principalmente católicos romanos e calvinistas (em húngaro 'református' - 'reformados'). Há judeus, muitas vezes em ocupações intelectuais e artísticas, e alguns muçulmanos. O cristianismo ortodoxo é praticado por minorias étnicas da Europa Oriental.

Geografia

O ponto mais alto da Hungria é Kékestető (1014 m; na parte nordeste da Hungria). O rio Danúbio, um dos maiores rios da Europa, divide a Hungria em uma parte ocidental e uma parte oriental. A região a oeste do Danúbio é chamada Transdanubia (Dunántúl). A Transdanubia tem uma paisagem montanhosa e muitas pequenas vilas e cidades. A grande área plana na parte oriental é a Grande Planície (Alföld). Ao longo da fronteira eslovaca, há montanhas.

O Lago Balaton, o maior lago da Europa Central, pode ser encontrado na Hungria. Este pequeno país também tem vários spas termais. O lago Hévíz é um dos maiores lagos termais do mundo. A Hungria, entretanto, é um país sem litoral (não tem litoral).

Suas maiores cidades são Budapeste, Debrecen, Miskolc, Szeged, Pécs, Győr, Nyíregyháza e Szolnok. Szolnok é encontrada na junção do Rio Tisza e do Rio Zagyva (riacho).

O Kékestető
O Kékestető

Páginas relacionadas

  • A Hungria nas Olimpíadas
  • Seleção húngara de futebol
  • Lista de rios da Hungria

AlegsaOnline.com - 2020 / 2022 - License CC3