A Viragem do Parafuso

A Viragem do Parafuso é uma ópera de Benjamin Britten. É uma ópera de câmara (uma ópera para um pequeno número de personagens e uma orquestra muito pequena). A história é baseada em uma história com o mesmo título de Henry James. O libreto (as palavras da ópera) foram escritas por Myfanwy Piper. A história da ópera é quase exatamente a mesma que a do livro de Henry James. Britten foi convidado pela Bienal de Veneza para escrever a ópera. Ela foi apresentada pela primeira vez em 14 de setembro de 1954, no Teatro La Fenice, Veneza. Sua primeira apresentação na Grã-Bretanha ocorreu um mês depois, em 6 de outubro de 1954, na Sadler's Wells Opera, em Londres.

A ópera está dividida em dois atos. Ela é ainda dividida em um prólogo e dezesseis cenas. Antes de cada cena começar, ouvimos uma variação sobre o tema 'Parafuso'. Este tema é baseado em doze notas que são todas as 12 notas da oitava. Isto é chamado de linha de doze tons, mas é tonalmente baseado (a música está em teclas tradicionais, ao contrário da música de Schoenberg). Há apenas 13 músicos na orquestra.

Papéis

Papel

Tipo de voz

Premiere Cast, 14 de setembro de 1954

Prólogo

Tenor

Peter Pears

Governo

Soprano

Jennifer Vyvyan

Milhas

Tríplice

David Hemmings

Flora

Soprano

Olive Dyer

Sra. Grose, a governanta

Soprano

Joan Cross

Srta. Jessel, a ex-governadora

Soprano

Arda Mandikian

Peter Quint, o ex-servidor

Tenor

Peter Pears



A história da ópera

Tempo: meados do século dezenove

Lugar: Bly, uma casa de campo inglesa

Prólogo

O prólogo é apenas para um cantor solo (tenor) e um piano. Ele nos fala de uma jovem governanta que ele conheceu uma vez que cuidou de duas crianças na Bly House. Os pais das crianças estavam mortos e deveriam ser cuidados por seu tio. O tio, que morava em Londres, estava muito ocupado para cuidar deles, e contratou uma governanta para eles. Ele disse à governanta (que na ópera é apenas chamada de "a governanta") que ela nunca lhe deveria escrever sobre as crianças. Ela mesma deve tomar qualquer decisão a respeito delas. Ela nunca deve perguntar-lhe sobre a história da Casa Bly, e ela deve sempre continuar a cuidar das crianças.

Ato 1

O Governo se pergunta como serão as crianças. As crianças se perguntam como será sua nova governanta. Quando a governanta chega a Bly House, ela é saudada pela governanta, Sra. Grose, e pelas crianças que (arco e reverência). Ela acha que o menino, Miles, parece estranhamente familiar. Miles vai para um colégio interno, mas ele voltou para casa nas férias. Chega uma carta de sua escola dizendo que ele foi expulso porque estava ameaçando outras crianças. O Governo está certo de que Miles, como sua irmã Flora, é muito gentil e inocente para ter feito coisas tão terríveis. A Sra. Grose também pensa a mesma coisa. O Governo decide não levar em conta a carta.

O Governo canta sobre sua maravilhosa posição na casa e as lindas crianças que ela tem ao seu cuidado. Mas à noite ela ouve passos estranhos e um grito do lado de fora de sua porta. De repente, ela vê um homem de cara pálida sentado em uma torre da casa. Quando o homem desaparece, ela fica assustada e se pergunta se ela viu um fantasma. Mas então ela fica confortada quando ouve as crianças cantando a canção infantil "Tom, Tom, o Filho da Piper". O governo duvida que ela tenha visto alguma coisa, mas decide contar à Sra. Grose. A governanta conta ao governo sobre Peter Quint, que costumava ser criado na Bly House. O que a Sra. Grose diz parece sugerir que Quint tinha feito coisas desagradáveis a Miles. Naquela época, Miles tinha uma governanta chamada Miss Jessel. A Sra. Grose sugere que Quint teve uma relação sexual com a Srta. Jessell, e que ambos tiveram relações sexuais com as crianças. A governanta disse que ela não podia fazer nada a respeito, pois Quint inteligentemente encontrou quaisquer cartas que lhe chegassem e a ameaçou com danos físicos. Mas quando a Srta. Jessel ficou grávida e as pessoas descobriram como ela era ruim, ela abandonou as crianças e fugiu. Pouco tempo depois ela morreu. Pouco depois, Quint morreu uma misteriosa morte em uma estrada gelada perto de Bly House.

Na manhã seguinte, o Governo está ensinando latim a Miles quando ele entra em um estado de transe e canta uma canção que mostra que Quint tinha abusado dele.

Mais tarde naquele dia, o Governo se senta à beira de um lago com Flora. Flora nomeia os mares do mundo, terminando com o Mar Morto. Flora compara o Mar Morto (onde nada pode viver) ao Bly House. Isto preocupa o Governo. Enquanto Flora brinca na margem com sua boneca, o Governo de repente vê uma mulher estranha do outro lado do lago que parece estar observando Flora. É o fantasma da senhorita Jessel, que voltou para buscar Flora. O Governo apressa Flora para casa em segurança.

Naquela noite, Miles e Flora escaparam para o bosque para encontrar a Srta. Jessel e Peter Quint. As crianças fantasiam sobre um mundo onde os sonhos se tornam realidade. O Governo e a Sra. Grose chegam quando as crianças estão prestes a serem possuídas, e os espíritos partem. Miles canta uma canção sobre como ele tem sido um menino mau.

Ato 2

Os fantasmas de Peter Quint e da Srta. Jessel reaparecem. Eles discutem sobre quem prejudicou quem primeiro quando estavam vivos, e acusam um ao outro de não agir com rapidez suficiente para possuir as crianças. Em seu quarto, o governo se preocupa com o mal que ela sente em casa.

Na manhã seguinte, a família vai à igreja. As crianças cantam uma canção que soa como uma canção de louvor a Deus. A senhora Grose não percebe o significado da canção até que o Governo lhe diga que estão cantando sobre horrores. A governanta foge e vai para seu quarto. Ela pode sentir a presença da Sra. Jessel e a vê sentada em sua mesa. A Governess agora sabe que ela não pode abandonar as crianças. Ela escreve para os tios das crianças dizendo que deve vê-lo.

Quando o Governo pergunta a Miles o que aconteceu na escola, a voz de Quint é ouvida. Miles grita e a vela se apaga. Miles se sente tentado por Quint a pegar a carta. Ele a rouba e se apressa a sair. Miles distrai a atenção dos adultos tocando o piano, para que eles não percebam Flora indo para o lago. A Sra. Grose e o Governo encontram Flora junto ao lago. O Governo tenta fazer Flora dizer que pode ver a Sra. Jessel, mas ela grita que não pode ver ninguém. A Sra. Grose a leva para casa.

Na última cena, Flora ficou louca. A senhora Grose diz ao Governo que sua carta ao tio deve ter sido roubada. Ela pergunta a Miles se ele a roubou. Ele a nega, mas o tempo todo ele pode ver Peter Quint que lhe diz que ele não deve contar a verdade sobre ele. No final, Miles grita: "Peter Quint! Seu demônio!" e depois morre. O Governo é deixado segurando o menino morto nos braços dela.

Instrumentação

Os instrumentos utilizados na orquestra são: 2 violinos, viola, violoncelo, contrabaixo, flauta/alto flauta/piccolo, clarinete/baixo clarinete, harpa, oboé/cor anglais, piano, celesta e percussão.


AlegsaOnline.com - 2020 / 2022 - License CC3