Febre Zika

A febre Zika é uma doença causada pelo vírus Zika. O vírus Zika pertence ao gênero Flavivirus, como a dengue e o chikungunya. Entretanto, a febre Zika geralmente não é tão grave quanto essas doenças. A maioria das pessoas que contraem o vírus Zika (60-80%) não tem sintomas.

As pessoas que têm sintomas geralmente têm febre baixa, conjuntivite, dores nas articulações (principalmente nas mãos e pés) e uma erupção cutânea. A erupção cutânea geralmente começa no rosto e depois se espalha para o resto do corpo. Normalmente, os sintomas não são muito ruins, e melhoram após 2 a 7 dias.

A partir de 2015, houve um surto do vírus Zika (o que significa que muitas pessoas contraíram o vírus) no Brasil. Os cientistas pensam que quando uma mulher com o vírus Zika está grávida, ela pode dar o vírus a seu feto. Os cientistas pensam que isto pode causar microcefalia, um defeito de nascença que faz com que um bebê tenha uma cabeça menor do que o normal. Isto pode causar incapacidade intelectual e outros problemas no cérebro, como convulsões. Por isso, em janeiro de 2016, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos advertiram as mulheres grávidas a não viajar para o Brasil, Colômbia, El Salvador, Guiana Francesa, Guatemala, Haiti, Honduras, Martinica, México, Panamá, Paraguai, Suriname, Venezuela ou Porto Rico, por causa do risco de levar o vírus Zika para lá.

Em lugares onde o vírus Zika vive, as pessoas têm maior probabilidade de ter defeitos de nascença, problemas neurológicos como a síndrome de Guillain-Barré, e doenças auto-imunes.

Um bebê com microcefalia (esquerda) em comparação com um bebê com um tamanho de cabeça típico. Os cientistas pensam que a febre Zika causa microcefalia em fetos
Um bebê com microcefalia (esquerda) em comparação com um bebê com um tamanho de cabeça típico. Os cientistas pensam que a febre Zika causa microcefalia em fetos

Diagnóstico

Diagnosticar a febre Zika é difícil por alguns poucos motivos. Primeiro, a febre Zika causa muitos dos mesmos sinais e sintomas que muitos outros vírus.

Em segundo lugar, testes laboratoriais especiais devem ser feitos para provar que uma pessoa tem o vírus Zika. Por exemplo, quando o vírus está no sangue ou na urina de uma pessoa, ele pode ser encontrado usando um teste especial que procura o RNA do vírus no sangue. Entretanto, o vírus Zika muitas vezes não permanece no sangue por muito tempo. Além disso, como a maioria das pessoas com o vírus Zika não tem sintomas, elas não sabem que precisam ser testadas. Os testes de sangue que procuram anticorpos específicos (que o corpo envia para combater o vírus Zika) também podem ser feitos. Entretanto, estes testes são caros e têm que ser feitos em laboratórios especiais que não existem em todos os lugares.

Se os testes não puderem provar que uma pessoa tem o vírus Zika, pode ser difícil descobrir se uma pessoa tem febre Zika ou uma infecção diferente. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) diz que antes de diagnosticar uma pessoa com febre Zika, os médicos devem pensar se a pessoa pode ter uma de muitas outras infecções. Exemplos dessas infecções incluem:

Transmissão

Os humanos apanham o vírus Zika após serem mordidos por mosquitos do gênero Aedes. Os cientistas provaram que pelo menos oito espécies diferentes de mosquitos do gênero Aedes podem disseminar o vírus Zika para os seres humanos. Os mosquitos pegam o vírus Zika depois de morderem outros animais que têm o vírus.

O vírus Zika pode ser transmitido de uma pessoa para outra durante o ato sexual. Também pode ser transmitido de uma mãe para seu feto durante a gravidez.

Prevenção

Não há vacina contra o vírus Zika, embora os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos estejam tentando fazer uma.

A melhor maneira de uma pessoa se proteger contra o vírus Zika é se proteger contra os mosquitos. Por exemplo, se as pessoas estão viajando para lugares onde o vírus Zika vive, elas devem:

  • Usar camisas de manga comprida e calças compridas
  • Use spray de insetos
  • Ficar e dormir em quartos protegidos por telas de janelas e portas, e que tenham ar condicionado (se possível)
  • Usar uma rede mosquiteira ao dormir
Proteger contra mosquitos - como usar uma rede mosquiteira enquanto dorme - é a melhor maneira de evitar o vírus Zika
Proteger contra mosquitos - como usar uma rede mosquiteira enquanto dorme - é a melhor maneira de evitar o vírus Zika

Tratamento

Hoje, não há tratamento ou cura para a febre Zika. Os profissionais médicos só podem dar "cuidados de apoio", o que significa que eles só podem tratar os sintomas do vírus. Por exemplo, eles podem dar remédios para ajudar com dor, febre e prurido. Entretanto, alguns cientistas dizem que os médicos não devem dar medicamentos como aspirina e outros antiinflamatórios não-esteróides (AINEs), que são comumente usados para dor e febre. Isto porque as pessoas com vírus similares que tomam estes medicamentos têm tido maior probabilidade de ter problemas de sangramento.

Não existem medicamentos antivirais conhecidos (medicamentos que matam os vírus) que matarão o vírus Zika.

Como não há tratamentos que curem o vírus Zika uma vez que uma pessoa o tenha, os cientistas sugerem que as mulheres grávidas façam tudo o que estiver ao seu alcance para evitar o vírus. Uma vez que uma mulher grávida tenha o vírus Zika, não há nada que alguém possa fazer para evitar que seu feto também seja infectado.

Epidemiologia

A febre Zika foi descoberta pela primeira vez em 1947, em um macaco rhesus na Floresta Zika em Uganda. Os primeiros casos humanos foram relatados na Nigéria em 1954. Alguns surtos foram relatados na África tropical e em algumas partes do sudeste asiático, mas não na Índia. Em 1977-1978, o vírus Zika causou febres na Indonésia.

O primeiro grande surto aconteceu em 2007 nas Ilhas Yap, na Micronésia. Foi comprovado que 185 pessoas tinham o vírus Zika. Esta foi a primeira vez que a febre Zika foi notificada fora da África e da Ásia. Em 2013, outro grande surto aconteceu na Polinésia Francesa.

Em maio de 2015, o Brasil comunicou oficialmente seus primeiros 16 casos de febre Zika. Em novembro de 2015, a febre Zika havia aparecido em 14 estados do Brasil. Pensa-se que o vírus Zika tenha causado 2.400 casos de microcefalia e 29 mortes em crianças no Brasil em 2015.

Desde que apareceu pela primeira vez no Hemisfério Ocidental em fevereiro de 2014, a febre Zika se espalhou rapidamente pela América do Sul e América Central. Ela apareceu no México em novembro de 2015.

Em 24 de janeiro de 2016, a Organização Mundial da Saúde advertiu que o vírus Zika é provável que se propague a quase todos os países das Américas. Isto é provável, pois o mosquito que espalha o vírus, Aedes aegypti, vive em todos os países das Américas, exceto no Canadá e no Chile.

Em 1º de fevereiro de 2016, a Organização Mundial da Saúde disse que o vírus Zika era uma "emergência de saúde pública". Eles também disseram que o vírus Zika estava "se espalhando explosivamente" (muito rapidamente), e que no próximo ano, de 3 a 4 milhões de pessoas poderiam contrair o vírus.

Países onde as pessoas contraíram o vírus Zika (a partir de janeiro de 2016)
Países onde as pessoas contraíram o vírus Zika (a partir de janeiro de 2016)

Páginas relacionadas

  • Flaviviruses
  • Gênero Aedes de mosquitos
    • Aedes agypti
  • Doença infecciosa

AlegsaOnline.com - 2020 / 2022 - License CC3