Qatar

Qatar (/ˈkæˌtɑːr/, /ˈkɑːtɑːr/ ( ouvir), /ˈkɑːtər/ ou /kəˈtɑːr/ ( ouvir); árabe: قطر Qaṭar [ˈqɑtˤɑr]; pronúncia vernacular local: [ɡɪtˤɑr]), oficialmente o Estado do Qatar (árabe: دولة قطر Dawlat Qaṭar), é um país soberano da Ásia Ocidental. Fica na pequena Península do Qatar, na costa nordeste da Península Arábica. A sua única fronteira terrestre é com a Arábia Saudita a sul, com o resto do seu território rodeado pelo Golfo Pérsico. Um estreito no Golfo Pérsico separa o Qatar do país insular vizinho do Bahrein, bem como partilha fronteiras marítimas com os Emirados Árabes Unidos e o Irão.

Após o domínio otomano, o Qatar tornou-se um protectorado britânico no início do século XX até à conquista da independência em 1971. O Catar é governado pela Casa de Thani desde o início do século XIX. O xeque Jassim bin Mohammed Al Thani foi o fundador do Estado do Qatar. O Qatar é uma monarquia hereditária e o seu chefe de estado é Emir Sheikh Tamim bin Hamad Al Thani. Se deve ser chamado monarquia constitucional ou absoluta, é uma questão de opinião. Em 2003, a constituição foi esmagadoramente aprovada em referendo, com quase 98% a favor. Desde o início de 2017, a população total do Qatar era de cerca de 2,6 milhões: 313.000 cidadãos do Catar e 2,3 milhões de expatriados.

O Qatar é uma economia de alto rendimento e é um país desenvolvido, com as terceiras maiores reservas mundiais de gás natural e reservas de petróleo. O país tem o rendimento per capita mais elevado do mundo. O Qatar é classificado pela ONU como um país de muito alto desenvolvimento humano e é o estado árabe mais avançado para o desenvolvimento humano. O Qatar é uma potência significativa no mundo árabe, apoiando vários grupos rebeldes durante a Primavera Árabe, tanto financeiramente como através do seu grupo de meios de comunicação social em expansão global, Al Jazeera Media Network. Pela sua pequena dimensão, o Qatar tem uma grande influência no mundo, tendo sido identificado como uma potência média. O Qatar irá acolher o Campeonato Mundial de Futebol de 2022, tornando-se o primeiro país árabe a fazê-lo.

O Qatar ou é uma monarquia constitucional ou absoluta governada pela família Al Thani. A dinastia Al Thani governa o Qatar desde que a casa da família foi estabelecida em 1825. Em 2003, o Qatar adoptou uma constituição que previa a eleição directa de 30 dos 45 membros do Conselho Legislativo. A constituição foi esmagadoramente aprovada em referendo, com quase 98% a favor.

O oitavo Emir do Qatar é Tamim bin Hamad Al Thani, cujo pai Hamad bin Khalifa Al Thani lhe entregou o poder a 25 de Junho de 2013. O chanceler supremo tem o poder exclusivo de nomear e destituir o primeiro-ministro e ministros de gabinete que, em conjunto, constituem o Conselho de Ministros, que é a autoridade executiva suprema do país. O Conselho de Ministros também inicia a legislação. As leis e decretos propostos pelo Conselho de Ministros são submetidos ao Conselho Consultivo (Majilis Al Shura) para discussão, após o que são submetidos ao Emir para ratificação. Uma Assembleia Consultiva tem poderes limitados para elaborar e aprovar leis, mas o Emir tem uma palavra final sobre todos os assuntos. O actual Conselho é constituído inteiramente por membros nomeados pelo Emir, uma vez que não se realizaram eleições legislativas desde 1970, quando se realizaram eleições parciais para o órgão. Espera-se a realização de eleições legislativas em 2016.

A lei do Catar não permite a criação de órgãos políticos ou sindicatos.

Emir Tamim bin Hamad Al Thani com o antigo Secretário de Defesa dos EUA Chuck Hagel.
Emir Tamim bin Hamad Al Thani com o antigo Secretário de Defesa dos EUA Chuck Hagel.

Lei Sharia

A lei Sharia é a principal fonte da legislação do Catar, de acordo com a Constituição do Catar. Na prática, o sistema legal do Qatar é uma mistura de direito civil e de lei Sharia. A lei da Sharia é aplicada às leis relativas ao direito de família, herança e vários actos criminosos (incluindo adultério, roubo e assassinato). Em alguns casos, nos tribunais de família baseados na Sharia, o testemunho de uma mulher vale metade do de um homem. O direito de família codificado foi introduzido em 2006. A poligamia islâmica é permitida no país.

A flagelação é utilizada no Qatar como castigo pelo consumo de álcool ou relações sexuais ilícitas. O artigo 88 do Código Penal do Qatar declara que a punição por adultério é de 100 chicotadas. Em 2006, uma mulher filipina foi condenada a 100 chicotadas por adultério. Em 2010, pelo menos 18 pessoas (na sua maioria estrangeiros) foram condenadas a açoitar entre 40 e 100 chicotadas por delitos relacionados com "relações sexuais ilícitas" ou consumo de álcool. Em 2011, pelo menos 21 pessoas (na sua maioria estrangeiros) foram condenadas a açoites entre 30 e 100 chicotadas por delitos relacionados com "relações sexuais ilícitas" ou consumo de álcool. Em 2012, seis expatriados foram condenados a flagelações de 40 ou 100 chicotadas. Apenas os muçulmanos considerados aptos do ponto de vista médico foram passíveis de executar tais sentenças. Desconhece-se se as sentenças foram aplicadas. Mais recentemente, em Abril de 2013, um expatriado muçulmano foi condenado a 40 chicotadas por consumo de álcool. Em Junho de 2014, um expatriado muçulmano foi condenado a 40 chicotadas por consumir álcool e conduzir sob a influência do álcool. Os castigos corporais judiciais são comuns no Qatar devido à interpretação Hanbali da Lei Sharia.

O apedrejamento é uma punição legal no Qatar. A apostasia é um crime punível com a pena de morte no Qatar. A blasfémia é punível com até sete anos de prisão e a proselitismo pode ser punida com até 10 anos de prisão. A homossexualidade é um crime punível com a pena de morte.

O consumo de álcool é parcialmente legal no Qatar; alguns hotéis de luxo de cinco estrelas estão autorizados a vender álcool aos seus clientes não muçulmanos. Os muçulmanos não estão autorizados a consumir álcool no Qatar e os muçulmanos apanhados a consumir álcool são passíveis de flagelação ou deportação. Os expatriados não-muçulmanos podem obter uma autorização de compra de álcool para consumo pessoal. A Qatar Distribution Company (uma subsidiária da Qatar Airways) está autorizada a importar álcool e carne de porco; opera a única loja de bebidas alcoólicas no país, que também vende carne de porco aos detentores de licenças de bebidas alcoólicas. Os funcionários do Qatar indicaram também a sua vontade de permitir o álcool em "zonas de fãs" no Campeonato Mundial de Futebol de 2022.

Até recentemente, os restaurantes no Pearl-Qatar (uma ilha feita pelo homem perto de Doha) eram autorizados a servir bebidas alcoólicas. No entanto, em Dezembro de 2011, foi dito aos restaurantes da Pérola que deixassem de vender álcool. Não foi dada qualquer explicação para a proibição. A especulação sobre a razão inclui o desejo do governo de projectar uma imagem mais piedosa antes da primeira eleição do país de um órgão consultivo real e rumores de uma disputa financeira entre o governo e os promotores da estância.

Em 2014, o Qatar lançou uma campanha de modéstia para lembrar aos turistas o modesto código de vestuário. As turistas do sexo feminino são aconselhadas a não usar leggings, minissaias, vestidos sem mangas e roupas curtas ou justas em público. Os homens são aconselhados a não usar apenas calções e solteiros.

Direitos Humanos

De acordo com o Departamento de Estado dos EUA, trabalhadores expatriados de nações da Ásia e partes de África migram voluntariamente para o Qatar como trabalhadores pouco qualificados ou empregados domésticos, mas alguns enfrentam posteriormente condições indicativas de servidão involuntária. Algumas das violações mais comuns dos direitos laborais incluem espancamentos, retenção de pagamento, cobrança aos trabalhadores de benefícios pelos quais o empregador é responsável, restrições à liberdade de circulação (tais como o confisco de passaportes, documentos de viagem, ou autorizações de saída), detenção arbitrária, ameaças de acção legal, e agressão sexual. Muitos trabalhadores migrantes que chegam para trabalhar no Qatar pagaram taxas exorbitantes aos recrutadores nos seus países de origem.

A partir de 2014, certas disposições do Código Penal do Catar permite que punições como a flagelação e o apedrejamento sejam impostas como sanções penais. O Comité Contra a Tortura das Nações Unidas considerou que estas práticas constituíam uma violação das obrigações impostas pela Convenção das Nações Unidas contra a Tortura. O Qatar mantém a pena de morte, principalmente por ameaças contra a segurança nacional. O recurso à pena de morte é raro e não se verificaram execuções estatais no Qatar desde 2003.

Ao abrigo das disposições da lei de patrocínio do Qatar, os patrocinadores têm o poder unilateral de cancelar as autorizações de residência dos trabalhadores, negar aos trabalhadores a capacidade de mudar de empregador, denunciar um trabalhador como "ausente" às autoridades policiais, e negar permissão para deixar o país. Como resultado, os patrocinadores podem restringir os movimentos dos trabalhadores e os trabalhadores podem ter medo de denunciar abusos ou reivindicar os seus direitos. De acordo com a CSI, o sistema de patrocínio de vistos permite a realização de trabalhos forçados, tornando difícil para um trabalhador migrante deixar um empregador abusivo ou viajar para o estrangeiro sem autorização. O Qatar também não mantém normas salariais para os seus trabalhadores imigrantes. O Qatar encarregou a firma de advogados internacional DLA Piper de produzir um relatório de investigação sobre o sistema de trabalho dos imigrantes. Em Maio de 2014, a DLA Piper publicou mais de 60 recomendações para a reforma do sistema de kafala, incluindo a abolição dos vistos de saída e a introdução de um salário mínimo que o Qatar se comprometeu a implementar.

Em Maio de 2012, os funcionários do Catar declararam a sua intenção de permitir a criação de um sindicato independente. O Qatar anunciou igualmente que irá suprimir o seu sistema de patrocínio de mão-de-obra estrangeira, o que exige que todos os trabalhadores estrangeiros sejam patrocinados pelos empregadores locais. Alterações adicionais à legislação laboral incluem uma disposição que garante que todos os salários dos trabalhadores sejam pagos directamente nas suas contas bancárias e novas restrições ao trabalho ao ar livre nas horas mais quentes durante o Verão. O novo projecto de legislação anunciado no início de 2015 obriga a que as empresas que não paguem os salários dos trabalhadores a tempo possam perder temporariamente a sua capacidade de contratar mais trabalhadores.

Em Outubro de 2015, o Emir do Qatar assinou uma nova reforma do sistema de patrocínio do país, com a entrada em vigor da nova lei no prazo de um ano. Os críticos afirmam que as mudanças podem não conseguir resolver algumas questões de direitos laborais.

O país concedeu às mulheres o direito de voto ao mesmo tempo que aos homens em ligação com as eleições de 1999 para um Conselho Municipal Central. Estas eleições - as primeiras de sempre no Qatar - foram deliberadamente realizadas a 8 de Março de 1999, Dia Internacional da Mulher.

Relações externas

Sendo um país pequeno com vizinhos maiores, o Qatar procura projectar influência e proteger o seu estado e dinastia governante. A história das alianças do Qatar fornece uma visão sobre a base da sua política. Entre 1760 e 1971, o Qatar procurou protecção formal contra os altos poderes transitórios dos otomanos, britânicos, os Al-Khalifa do Bahrein, os árabes, e os Wahhabis da Arábia Saudita. O crescente perfil internacional e papel activo do Qatar nos assuntos internacionais levou alguns analistas a identificá-lo como uma potência intermédia. O Qatar foi um dos primeiros membros da OPEP e membro fundador do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG). É um membro da Liga Árabe. O país não aceitou a jurisdição obrigatória do Tribunal Internacional de Justiça.

O Qatar também tem relações bilaterais com uma variedade de potências estrangeiras. O Qatar acolhe a Base Aérea Al Udeid, uma base conjunta EUA-Britânia, que actua como centro de todas as operações aéreas americanas e britânicas no Golfo Pérsico. Tem permitido às forças americanas e britânicas utilizar uma base aérea para enviar mantimentos para o Iraque e Afeganistão. Apesar de acolher esta instalação militar estratégica, o Qatar nem sempre é um forte aliado ocidental. O Qatar permitiu que os Talibãs afegãos criassem um gabinete político no interior do país e tem laços estreitos com o Irão, incluindo um campo de gás natural partilhado. De acordo com documentos publicados no The New York Times, o registo dos esforços antiterroristas do Qatar foi o "pior da região". O cabo sugeriu que o serviço de segurança do Qatar estava "hesitante em agir contra terroristas conhecidos por preocupação de parecer estar alinhado com os EUA e provocar represálias".

O Qatar tem relações mistas com os seus vizinhos na região do Golfo Pérsico. O Qatar assinou um acordo de cooperação de defesa com o Irão, com o qual partilha o maior campo de gás não associado do mundo. Foi a segunda nação, sendo a primeira a França, a anunciar publicamente o seu reconhecimento do Conselho Nacional de Transição da oposição líbia como o governo legítimo da Líbia, no meio da guerra civil líbia de 2011.

Em 2014, as relações do Qatar com o Bahrein, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos chegaram a um ponto de ebulição por causa do apoio do Qatar aos Irmãos Muçulmanos e aos grupos extremistas na Síria. Isto culminou na retirada dos três países acima mencionados dos seus embaixadores do Qatar em Março de 2014. Quando os embaixadores se retiraram, o CCG estava à beira de uma crise ligada à emergência de blocos políticos distintos com interesses conflituosos. Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein estavam envolvidos numa luta política com o Qatar, enquanto Omã e o Kuwait representavam um bloco não-alinhado no seio do CCG. As relações entre os países melhoraram após o Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) ter anunciado o Bahrain, a Arábia Saudita, e os EAU devolveram os seus diplomatas ao Qatar. Islam Hassan, um investigador dos Estudos do Golfo Pérsico na Universidade do Qatar, afirma que, com a resolução da crise do CCG, o Qatar atingiu um novo nível de maturidade política. Afirma ainda que o Qatar conseguiu pôr fim à crise sem alterar nenhum dos seus princípios de política externa ou abandonar os seus aliados.

Nos últimos anos, o Qatar tem utilizado militantes islamistas em vários países, incluindo o Egipto, Síria, Líbia, Somália e Mali, para promover a sua política externa. Cortejar islamistas dos grupos dos Irmãos Muçulmanos para grupos salafistas tem servido como um amplificador de poder para o país, pois acredita desde o início da Primavera Árabe que estes grupos representaram a onda do futuro. David Cohen, o Subsecretário para o terrorismo e inteligência financeira do Tesouro dos EUA, disse que o Qatar é uma "jurisdição permissiva para o financiamento do terrorismo". Há provas de que estes grupos apoiados pelo Qatar incluem os grupos militantes islâmicos de linha dura activos no norte da Síria. A partir de 2015[actualização], o Qatar, a Arábia Saudita e a Turquia apoiam abertamente o Exército de Conquista, um grupo guarda-chuva de forças anti-governamentais que combatem na Guerra Civil síria e que alegadamente inclui uma Frente al-Qaeda ligada à al-Nusra e outra coligação Salafi conhecida como Ahrar ash-Sham.

O Qatar apoiou o Presidente democraticamente eleito Mohamed Morsi com apoio diplomático e a rede estatal Al Jazeera, antes de ser deposto num golpe militar. O Qatar ofereceu ao Egipto um empréstimo de 7,5 mil milhões de dólares durante o ano em que esteve no poder.

O alinhamento do Qatar com o Hamas, relatado pela primeira vez no início de 2012, atraiu críticas de Israel, dos Estados Unidos, do Egipto e da Arábia Saudita, "que acusam o Qatar de minar a estabilidade regional ao apoiar o Hamas". Contudo, o Ministro dos Negócios Estrangeiros do Qatar negou apoiar o Hamas, afirmando "Não apoiamos o Hamas, mas apoiamos os palestinianos". Na sequência de um acordo de paz, o Qatar prometeu mil milhões de dólares em ajuda humanitária a Gaza.

O Qatar tem acolhido conferências académicas, religiosas, políticas e económicas. O 11º Fórum anual de Doha trouxe recentemente pensadores chave, profissionais de várias origens, e figuras políticas de todo o mundo para discutir a democracia, meios de comunicação e tecnologia da informação, comércio livre, e questões de segurança da água. Para além disso, o fórum tem incluído a conferência sobre o Futuro Económico do Médio Oriente desde 2006. Em tempos mais recentes, o Qatar tem acolhido conversações de paz entre facções rivais em todo o mundo. Entre estas, destacam-se o Acordo de Darfur. A Declaração de Doha é a base do processo de paz em Darfur e tem conseguido ganhos significativos no terreno para a região africana. Entre as realizações notáveis incluem-se a restauração da segurança e estabilidade, os progressos alcançados nos processos de construção e reconstrução, o regresso dos residentes deslocados e a união do povo do Darfur para enfrentar os desafios e fazer avançar o processo de paz. O Qatar doou 88,5 milhões de libras esterlinas em fundos para financiar a recuperação e reconstrução em Darfur.

O antigo Emir Hamad bin Khalifa Al Thani e o Secretário de Estado norte-americano John Kerry em 2013.
O antigo Emir Hamad bin Khalifa Al Thani e o Secretário de Estado norte-americano John Kerry em 2013.

A bandeira do Qatar na Líbia após a Guerra Civil Líbia; o Qatar desempenhou um papel influente durante a Primavera Árabe.
A bandeira do Qatar na Líbia após a Guerra Civil Líbia; o Qatar desempenhou um papel influente durante a Primavera Árabe.

Militar

As Forças Armadas do Qatar são as forças militares do Qatar. O país mantém uma modesta força militar de aproximadamente 11.800 homens, incluindo um exército (8.500), marinha (1.800) e força aérea (1.500). As despesas de defesa do Qatar representaram aproximadamente 4,2% do produto nacional bruto em 1993. Em 2008, o Qatar gastou 2,355 mil milhões de dólares em despesas militares, 2,3% do produto interno bruto. As forças especiais do Catar foram treinadas pela França e por outros países ocidentais, e acredita-se que possuem uma competência considerável. Ajudaram também os rebeldes líbios durante a Batalha de Trípoli de 2011.

O Qatar assinou pactos de defesa com os Estados Unidos e o Reino Unido, bem como com a França, no início de 1994. O Qatar desempenha um papel activo nos esforços de defesa colectiva do Conselho de Cooperação do Golfo; os outros cinco membros são a Arábia Saudita, o Kuwait, o Bahrain, os EAU, e Omã. A presença de uma grande base aérea do Qatar, operada pelos Estados Unidos e várias outras nações da ONU, constitui uma fonte garantida de defesa e segurança nacional.

O Stockholm International Peace Research Institute, SIPRI, descobriu que em 2010-14 o Qatar foi o 46º maior importador de armas do mundo. No entanto, escreve o SIPRI, os planos do Qatar para transformar e ampliar significativamente as suas forças armadas aceleraram. Encomendas em 2013 para 62 tanques e 24 armas autopropulsionadas da Alemanha foram seguidas em 2014 por uma série de outros contratos, incluindo 24 helicópteros de combate e 3 aviões AEW dos EUA, e 2 aviões-cisterna de Espanha.

Os militares do Qatar participaram na intervenção liderada pela Arábia Saudita no Iémen contra os Shia Houthis. Em 2015, a Al Jazeera America informou: "Numerosos relatórios sugerem que a coligação liderada pela Arábia Saudita contra grupos da oposição no Iémen tem atacado indiscriminadamente civis e utilizado bombas de fragmentação em áreas povoadas por civis, em violação do direito internacional".

Dassault Mirage 2000 do Qatar sobrevoando a Líbia.
Dassault Mirage 2000 do Qatar sobrevoando a Líbia.

Divisões administrativas

Desde 2004, o Qatar foi dividido em sete municípios (árabe: baladiyah).

  1. Cinzas de Madinat Shamal
  2. Al Khor
  3. Umm Salal
  4. Al Daayen
  5. Al Rayyan
  6. Doha
  7. Al Wakrah

Para fins estatísticos, os municípios são ainda subdivididos em 98 zonas (a partir de 2010[actualização]), que por sua vez são subdivididas em blocos.

Municípios do Qatar desde 2004
Municípios do Qatar desde 2004

Geografia

O Qatar é uma península (uma faixa de terra que se estende para o mar). Está unida à Arábia Saudita a sul, e todos os outros lados da mesma estão rodeados pelas águas do Golfo Arábico.

O Qatar é um país bastante pequeno e tem uma área de apenas 10,360 km². A península tem um comprimento de 160 km. Grande parte do país é uma planície baixa, árida, coberta de areia. A área de Jebel Dukhan tem os principais depósitos de petróleo em terra do Qatar. Os campos de gás natural situam-se offshore, a noroeste da península.

A capital do Qatar é Doha. Mais de 90% da população vive em Doha. A outra grande cidade é Al Wakrah.

Governo e política

O Qatar tem um governo não eleito, monárquico, do tipo emirado. A posição de emir é hereditária.

O Emir é o único que pode nomear e destituir o primeiro-ministro e os ministros do governo. Juntos, os ministros compõem o Conselho de Ministros. Eles são a mais alta autoridade executiva do país.

As pessoas e a cultura

As pessoas do Qatar são chamadas Qataris. Eles são árabes. A língua oficial do Qatar é o árabe, mas muitas pessoas também falam inglês, especialmente quando estão a fazer negócios.

Cerca de 2,6 milhões de pessoas vivem no Qatar; contudo, cerca de 88% destas são trabalhadores convidados (pessoas de outro país que aí vivem e trabalham durante um curto período de tempo), na sua maioria provenientes do Sul da Ásia, do Sudeste Asiático e de outros países árabes. 650.000 são índios, 350.000 nepaleses, 260.000 filipinos entre muitas outras nacionalidades.

Quase toda a economia do Qatar provém da produção de petróleo e gás natural.

A moeda do Qatar é chamada de Qatari Riyal.

Quase todos os Qataris seguem a religião do Islão. No entanto, muitos dos trabalhadores convidados seguem outras religiões.

Desporto

O futebol é o desporto mais popular no Qatar, seguido de perto pelo cricket. A equipa nacional de futebol do Qatar sub-20 terminou em segundo lugar no Campeonato Mundial Juvenil da FIFA de 1981.

As finais da Taça Asiática de Futebol da Confederação Asiática de Futebol de 2011 realizaram-se no Qatar em Janeiro de 2011. Foi a segunda vez que foi acolhida pelo Qatar, sendo a outra a Taça Asiática de Futebol Asiático de 1988.

Doha, Qatar, é também o lar do Qatar Racing Club a Drag Racing facility.

Khalifa International Tennis and Squash Complex em Doha, Qatar, acolheu o WTA Tour Championships em ténis feminino entre 2008 e 2010. Doha realiza todos os anos o WTA Premier tournament Qatar Ladies Open.

Em 2 de Dezembro de 2010, o Qatar ganhou a sua candidatura para acolher o Campeonato Mundial de Futebol de 2022.

Nasser Al-Attiyah do Qatar venceu o Rally Dakar 2011 e o Campeonato Mundial de Rali de Produção em 2006. Além disso, ganhou também medalhas de ouro nos Jogos Asiáticos de 2002 e nos Jogos Asiáticos de 2010 como parte da equipa de tiro ao prato do Qatar.

Desde 2002, o Qatar acolhe anualmente a Volta ao Qatar, uma corrida de ciclismo em seis etapas. Todos os meses de Fevereiro, os ciclistas competem nas estradas que atravessam as terras planas do Qatar durante seis dias. Cada etapa cobre uma distância de mais de 100 km.


AlegsaOnline.com - 2020 / 2022 - License CC3